Com a implementação da República, os açorianos Teófilo de Braga e Manuel de Arriaga destacaram-se na elite portuguesa da altura e chegaram ao poder

A instauração da República em Portugal, que hoje se comemora, feriado nacional, teve um grande protagonismo de açorianos que se distinguiram entre as elites políticas portuguesas da altura (1910 – 1917). Hoje faz 112 anos que Portugal deixou de ser uma monarquia e passou a ser oficialmente uma República. Deixou de haver reis e passou a haver presidentes a governar o país. Portugal adoptou o hino e a bandeira que ainda hoje são os mesmos. A bandeira hoje está hasteada em todos os edíficios públicos. 
Neste processo republicano destacam-se dois açorianos, Teófilo de Braga e Manuel de Arriaga, e  os restos mortais de ambos estão no Panteão Nacional, local reservado a algumas das figuras mais importantes da história portuguesa.
Manuel de Arriaga nasceu em 1840 na Horta, Faial, e saiu dos Açores para Coimbra para estudar Direito. Em 1883 foi proclamado deputado e foi o 2.º deputado republicano no parlamento português.  Foi eleito como o 1.º presidente da República em Agosto de 1911, cargo que manteve até 1915. Na sequência dos acontecimentos de 5 de Outubro de 1910, e para serenar os ânimos agitados dos estudantes da Universidade de Coimbra, foi nomeado reitor daquela Universidade, tomando posse em 17 de Outubro de 1910 até assumir o cargo de Chefe de Estado.
 Teófilo de Braga nasceu em 1843 em Ponta Delgada, São Miguel, e saiu da região para Coimbra para aí estudar Direito. Foi eleito deputado republicano ainda durante a Monarquia, mas em 5 de Outubro torna-se presidente provisório da República durante quase um ano e em 1915 tornou-se o segundo Presidente da República. Mas importa explicar como tudo isso acontece. A 28 de Agosto de 1910 é eleito deputado republicano por Lisboa às Cortes monárquicas, não chegando contudo a tomar posse por entretanto ocorrer a implantação da República Portuguesa.
Por decreto publicado no Diário do Governo de 6 de Outubro do mesmo ano é nomeado presidente do Governo Provisório da República Portuguesa saído da Revolução de 5 de Outubro de 1910. Naquelas funções foi de facto chefe de Estado, já que o primeiro Presidente da República Portuguesa, Manuel de Arriaga, apenas foi eleito a 24 de Agosto de 1911. 
Quando Manuel de Arriaga foi obrigado a resignar do cargo de presidente da República, na sequência da Revolta de 14 de Maio de 1915, e Teófilo Braga foi eleito para o substituir pelo Congresso da República. Sendo um presidente de transição, face à demissão de Manuel de Arriaga, cumpriu o mandato até ao dia 5 de Outubro do mesmo ano, sendo então substituído por Bernardino Machado. Foi a sua última participação na vida política activa.
A Historiadora Fátima Sequeira Dias, já falecida, cuja obra perpetua, escreveu que “após a chegada da notícia da implantação da República, a imprensa açoriana publicada ao tempo relatou com maior ou menor entusiasmo o acontecimento, salientando não só a adesão dos populares ao novo ideário como a importância da nomeação de três jovens açorianos para novos governadores civis dos distritos de Angra, Horta e Ponta Delgada”. 
Também a investigadora Susana Serpa Silva em  «Saúde e Fraternidade»: ao serviço da República nos Açores” diz, e citamos: “Tendo os Açores desempenhado um papel notável durante o árduo percurso de afirmação do regime liberal, importa compreender porque nada de semelhante aconteceu aquando da implantação da República, ainda que alguns notáveis republicanos fossem de origem açoriana. Não obstante o republicanismo ter colhido alguns simpatizantes e defensores no arquipélago, não se poderá afirmar que teria raízes profundas, mesmo quando o movimento, em geral, passou a difundir os seus ideais através de uma campanha mais premente e organizada, aproveitando importantes efemérides nacionais. Nas ilhas, as atenções gravitavam em torno da preocupante questão económico-social, e daí as reivindicações autonomistas, que, curiosamente, acabaram também por ser acalentadas pela doutrina republicana de pendor federalista”. 
 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

Theme picker