Recados com amor...

Meus queridos! Neste Domingo, véspera de São Pedro, não fossem as limitações “covidianas”, lá estaria eu, com o meu vestido azul bandeira no arraial de marchas aqui na minha cidade-norte, em véspera de feriado de Cavalhadas e de mais um ano de celebrações da elevação da velha Vila a cidade, que cada vez mais se impõe no desenvolvimento de Miguel e dos Açores. Já anotei na minha agenda que este ano, no dia 26 de Julho, - que é o dia dos Avós – vai ser a inauguração da grande Praça do Emigrante e do globo gigante “Saudades da Terra”… e tenho esperança que aí será o momento alto que não pôde ser agora…. Mas, de qualquer maneira, a enorme e bela praça, cheia de motivos e de lembranças, já começa a ser lugar de romagem e aí é facilmente respeitado o distanciamento social, temperado de mar e de sol, para exercitar a vista e os dotes fotográficos de quem gosta de apreciar ângulos diferentes. Mesmo sem festas, um ternurento beijinho, daqui da minha Rua Gonçalo Bezerra, para todos os ribeiragrandenses.


Ricos! E por falar em praças e pracetas, a minha prima Amelinha, grande defensora da Vila de Rabo de Peixe, onde também se celebra São Pedro… disse-me que está a ser preparada uma petição pública para entregar ao Delegado de Saúde e ao Ministério Público do concelho, requerendo que seja ordenada a demolição do imóvel que se situa frente à Igreja do Bom Jesus, adquirido em tempos pelo município com o fim de o demolir, … mas que passados anos, e sem se saber porquê… o casarão está a esboroar-se tornando-se num perigo para as pessoas que por ali passam… sendo ao mesmo tempo uma fonte de contágio, por ser um albergue para os ratos que circulam nas redondezas das escarpas que dão para o mar… Quando acontecer uma desgraça então os responsáveis irão todos por as mãos à cabeça… mas aí terão  de ser responsabilizados pelos estragos e pelas eventuais vítimas… 


Meus queridos! Mando daqui um ternurento beijinho para os responsáveis do PCP aqui das ilhas, que resolveram adiar o seu XI Congresso para o próximo ano, conforme li no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio. É que me custa muito a entrar na cabeça a confusão de declarações e procedimentos que vejo por aí. Anda o Primeiro-Costa numa fona de condenar aquilo que ele diz que são ajuntamentos ilegais, como se o vírus soubesse o que são os ajuntamentos legais e os ilegais. E como é que se convence malta jovem, que pouco liga à política, que uma manifestação partidária ou sindical é diferente de uma ida às docas ou de uma enchente na praia ou na night? Por isso continuo a pensar que a nova normalidade, como agora é moda dizer-se, tem de ser uma escola de responsabilidade e educação e o exemplo tem de vir de cima: esconjurar o medo mas exigir respeito. O PCP dos Açores dá o sinal de exemplo que devia ser dado pela sua estrutura central que não dispensa a Festa do Avante que, esta sim, é muito mais que um simples evento político e tem sido argumento para muitos desmandos. Prometo que vou estar de atalaia!


Ricos! Muito gostei de ler no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio mais uma edição do Suplemento “Ideias & Negócios”, desta feita dedicado à Agricultura, que não é só a Pecuária, e os mercados. Fico agora de pulga na orelha para ver o projecto de remodelação do Mercado da Graça que está em execução e que, nas palavras da vereadora responsável, a simpatiquérrima Alexandra Viveiros, vai ser objecto de diálogo com quem lá exerce a sua actividade de vendedor e com utilizadores. A minha prima Jardelina disse-me que já guardou o recorte da detalhada e clara entrevista, para ir seguindo o seu desenvolvimento. E no mesmo suplemento, muito contente fiquei eu ao saber que lá para o Outono deste ano já poderemos saborear um queijinho de ovelha de Santa Maria que está pronto para começar a ser fabricado. Fico à espera porque da ilha vizinha é bom que depois da meloa haja mais um produto que seja marcante…


Meus queridos! O sempre irrequieto Presidente Marcelo resolveu estar presente no encerramento do ano lectivo, visitando uma escola na cidade do Porto, mais o Ministro da Educação. Já nada me surpreende, porque o omnipresente é assim mesmo. Mas fiquei de queixo à banda, quando vi a mais alta figura de Estado entrar numa sala de aula e os alunos, todos com idade de já ter educação e cortesia, terem ficados todos sentados, como se ali não tivesse entrado ninguém. Ou eu estou a ficar muito velha ou há qualquer coisa que está a faltar na educação dos nossos jovens. Como é que entra um Presidente da República numa escola e ninguém se levanta em sinal de respeito? Será que passou de moda? Ou é a onda do igualitarismo a funcionar? Onde estão as tais e tão faladas aulas de cidadania onde se aprende ou devia aprender o respeito pelos símbolos nacionais? E mesmo que não seja o Presidente da República, acho que a Educação se devia manifestar em gestos simples como estes. Por isso é que em autocarros e comboios, velhos e doentes ficam de pé para os piquenos estarem refastelados a brincar com os telelés… É a geração que estamos a criar.


Ricos! Não sou mulher de futebóis, mas esta semana até fiquei contente com a histórica vitória do Santa Clara frente ao Benfica a quem nunca tinha conseguido vencer. E mais ainda porque a equipa de São Miguel com aquela vitória carimbou a sua permanência na primeira Liga, podendo já começar a preparar a próxima época. Segundo me diz a minha sobrinha-neta, desde que o Santa Clara se mudou de armas e bagagens para a cidade do Futebol e deixou de jogar e treinar em Ponta Delgada, deu um salto grande na qualidade do jogo. E isto até já se verificava antes porque jogava melhor fora que em casa. Para quem diz que o velhinho estádio de São Miguel não precisa de um novo relvado e outras importantes obras, está tudo dito. Eu sei que o pilim não estica e que são nove ilhas à mesma mesa, mas a verdade está à vista. E basta olhar para a Madeira…


Ricos! Quem estava pior que estragado um dia destes era o meu querido Professor e escritor Vamberto Freitas. De duas universidades americanas, mandaram-lhe pelo correio, dois livros de Adelaide Freitas, que foram traduzidos para Inglês. Os ditos cujos “encalharam” na alfândega em Lisboa, e Vamberto Freitas recebeu um monte de papéis para “desalfandegar” os livros e pagar as respectivas taxas. Ou seja, os livros vêm dos States passam por cima dos Açores e vão para Lisboa, como se já não houvesse alfândega na Região. Por isso é que as encomendas levam meses a chegar e o centralismo é cada vez maior. Vamberto Freitas não esteve com meias medidas e respondeu que não assina papel nenhum, nem paga nada e que devolvam ou façam o que quiserem com os livros. Diz ele que há outras formas de os fazer cá chegar… Quando até um livro já tem de ser “despachado”, voltamos ao tempo da velha senhora! E tudo isto numa semana em que 27 funcionários da AT Autoridade Tributária de Lisboa foram detidos por suspeita de desvio de encomendas… Pois!


Meus Queridos! A minha prima Maria Constança das Flores, que acompanhou de perto a visita do Governo à ilha que faz fronteira entre a Europa e a América, mandou-me esta fotografia que já foi muito badalada nas redes sociais, dizendo que apesar da boa disposição dos governantes e acompanhantes, ficou com muito receio de alguém ter de ficar de quarentena nas Flores porque não foram respeitadas as normas de distanciamento impostas pelo próprio Governo… para os demais açorianos e não só…. Respondi-lhe que no caso deve seguir-se o velho ditado… ”Faz o que  eu digo e não faças o que eu faço”!

Ricos! E já agora, não há uma sem duas… O meu querido Tiaguinho fez há dias uma incursão a São Miguel, não sei se para vir buscar o equipamento que dizem que se destinava à Terceira e que ficou retido em São Miguel… facto  que tem servido de prato forte de alguma clique terceirense que passa o tempo a bolçar vitupérios divisionistas, atacando pessoas e atirando setas para todos os cantos, acusando os micaelenses de “roubar” os terceirenses… Com tal desaforo e a continuarem nessa nota, os nossos concidadãos terceirenses não se livram de serem cognominados como os corsários da Autonomia e da unidade regional… Mas dito isto vamos ao que interessa: O meu querido Tiaguinho, que acabou em vedeta pelo trabalho e presença que teve durante a pandemia, na sua estadia em São Miguel, onde corre pelos mentideros políticos que poderá ser o número dois da lista de deputados do PS/A…, depois de ter degustado os bons sabores da nossa cozinha açoriana… marcou o momento tirando uma foto com o pessoal do restaurante… deixando dois sinais. Um foi de que nem sempre é possível manter o distanciamento oficialmente decretado… e o outro é que se mantêm fiel ao principio que sempre defendeu quanto à importância ou não do uso de máscaras… É caso para dizer que nem sempre a teoria pode ser aplicada na prática!

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima