15 de março de 2020

Maria Corisca

Recados com amor...

Ricos! Mas mesmo assim ainda há quem queira fazer política no meio de todas as medidas de prevenção que estão a ser tomadas. Foi o que pensou a minha prima Teresinha quando leu que o Bloco de Esquerda quer ouvir a SATA sobre a quebra de receitas devida à redução do turismo, pelos cancelamentos que tem havido. Não entendo como é que alguém pensa em números numa altura destas. Cá p’ra mim só pode ser um flato que passou pela cabeça do político em questão, em contramão com a política do partido que é contra o capital e a favor do social!... Razão tem o irreverente director-executivo do velhinho e sempre renovado Diário dos Açores, Osvaldo Cabral, quando escreveu que a vida de um açoriano vale mais do que um avião cheio de turistas… Por isso mesmo, deixem a política para outra altura.


Ricos! Como todos sabem, o Hospital da Ilha de Jesus foi o escolhido para receber os eventuais casos de infectados com a nova doença que está a pôr de cócoras a sociedade mundial... O que não quer dizer que os outros hospitais não estejam preparados para a mesma emergência. Mas também não é preciso acordarem fantasmas bairristas por causa disto. Mais preocupante, para a minha prima Maria da Praia é o facto de agora, os presos preventivos de São Miguel estarem a ser levados para a nova cadeia da Terceira. A minha prima lembra-se que foi D. Afonso VI, exilado para o Monte Brasil; foi o Régulo Gungunhana preso na mesma fortaleza filipina de São João Baptista; e foram em 1931, os revoltosos do regime, e em 1934, os vidreiros da Marinha Grande, e dois anos depois, os revoltosos da Armada. Depois em 1975 foram os presos do 6 de Junho. Agora são os presos preventivos e muitos outros que já não cabem na cadeia de Ponta Delgada, com duplo castigo de pena e degredo, tudo porque os políticos não se entendem com a nova cadeia de São Miguel e preferem continuar a guerra da bagacina e da manjerona… que é o melhor disfarce para a falta de pilim lá para os lados do governo do Rectângulo…


Meus queridos! A partir de hoje, as escolas estão fechadas e espera-se que os alunos e também os professores e outros fiquem nas suas casas para evitar possível contágio. E não se esqueçam de lavar as mãos com muita água e sabão. É que em muitas das nossas escolas, os coitados dos professores andavam numa roda-viva a ensinar aos alunos como deviam lavar as mãos com muita frequência, mas nas escolas nem havia sabão e muito menos papel para limpar as mãos. Houve quem levasse de casa, mas muitos não o faziam. Agora que houve a corrida do século ao papel higiénico, espera-se que sirva pelo menos para limpar o que deve, mas se for muito também pode servir para limpar as mãos…

 Ricos! Para previdente, previdente e meio, e quando fui levar os meus recadinhos ao Jornal que tão generosamente me acolhe no seio, encontrei o meu querido amigo Director-Adjunto Santos Narciso que estava a desinfectar as mãos com álcool e entre alegre cumprimento perguntei onde tinha ele conseguido tão procurado produto porque segundo as queixas que se ouvem, … o álcool foi um fogo que lhe pegou… pois não há uma pinga para amostra nas prateleiras das drogarias hipers e lojas. Santos Narciso disse então que o Director do Jornal mandou colocar em zonas estratégicas da empresa um conjunto de recipientes com álcool para que os trabalhadores ou quem passar pelas instalações possa desinfectar as mãos como medida de precaução… Um exemplo que deve ser replicado noutros locais de trabalho que não encerrem portas para a quarentena…


Meus queridos! A minha prima Maria da Praia, que costuma seguir com atenção as notícias do site da Igreja diocesana, leu esta semana que no passado dia 1 de Março se completaram dois anos sobre a data em que foi constituída a Comissão Histórica para o processo de beatificação da jovem Maria Vieira, mártir da pureza na Ilha de Jesus. Com tão nobre e ilustres membros e passados dois anos sobre o dito processo “moroso e oneroso” sempre era bom saber como andam as coisas, pois aqui para os lados da Ilha do Arcanjo também há muita gente que se interroga sobre o processo de Madre Teresa d’Anunciada, o tal que o meu querido Bispo Lavrador empurrou para calendas gregas, quando disse que a dita religiosa não fazia parte da devoção dos micaelenses. Não é por mal, mas entra ano e sai ano e parece que a causa foi mesmo esquecida, no meio do bulício das obras materiais… Bem fez a Mesa da Misericórdia da minha cidade norte que mandou fazer uma pagela com o Cristo dos Terceiros e no verso uma oração pela Beatificação de Madre Teresa d’Anunciada que foi a impulsionadora da festa dos Terceiros na Vila donde era natural…. O meu querido Padre Galvão já não tem nenhuma pagela para amostra porque a procura foi muita….


Ricos! Quero mandar um ternurento beijinho para a Câmara do agora presidente Humberto Melo pela obra de substituição das palmeiras e dos inestéticos caixotes rectangulares onde estavam plantadas na Avenida Litoral de Ponta Delgada. Algumas delas estavam mesmo em perigo de cair, vítimas da idade e de estarem em lugar onde nunca se deram lá muito bem, desde o tempo em que foram plantadas a mando do saudoso presidente João Gago da Câmara. Agora vão ser transferidas para lugar mais certo no parque Urbano e na Avenida aparecerão outras árvores e outros canteiros com nova estética e nova iluminação. Cá estou para ver e só espero que este seja um passo apenas dos muitos que falta dar para requalificar aquela Avenida que bem precisa e que está bem difícil… Trata-se de um projecto que está a cargo da dinâmica Vereadora Alexandra Falcão que também mandou colocar no passeio do lado sul um conjunto de candeeiros que acompanham a altura dos metrosíderos criando um luminosidade envolvente ao longo da Avenida. Espero que as pessoas criem um gosto pelas flores e as tratem com o carinho com se que se deve tratar as flores e todas as plantas porque elas são um elemento muito importante para a vida vegetal e animal.   


Meus queridos! Nunca fui mulher de me meter em política e acho que a melhor coisa que nos trouxe o 25 de Abril que este ano não terá, decerto, comemorações devido ao dito cujo vírus, foi a liberdade de pensar, dizer e escrever o que queremos. Mas também nos deu a liberdade de dizermos quando discordamos do que ouvimos e lemos. E foi isto que pensei quando li no velhinho e sempre renovado Diário dos Açores da passada quinta-feira o colunista Mário Abrantes, escrevendo sobre a bipolarização política e a dizer que “Quando falo de outras forças políticas não incluo, naturalmente, dispensáveis apêndices da direita como o Iniciativa Liberal ou o Chega”. Não fazendo juízos de valor sobre estes partidos o que me apetece perguntar ao dito colunista é se pensa o mesmo dos “dispensáveis apêndices da esquerda”… Ou será que a esquerda não tem apêndices? Ou há apêndices para todos, ou não há apêndices para ninguém… Já é tempo de acabar com os acicates de uns contra os outros… que foram próprios do PREC- período revolucionário em curso … em 1974/1975 e ainda nos anos seguintes, … mas o mundo de lá para cá já deu muitas voltas e os partidos já deram muitas cambalhotas… e a política deixou de se fazer com inimigos, para se fazer com adversários que foram todos incluídos no regime democrático, desde que a União Soviética soçobrou….


Meus Queridos! E já que meti o colherão na política, não posso deixar de dizer que fiquei para Deus me levar ao ler um artigo escrito num jornal cá do burgo… e assinado pelo antigo “Mestre Contente” hoje “professor Contente”. Bem sei que José Contente é um homem virado para as geologias e daí se calhar a sua tendência explosiva… Mas em política segundo me ensinou a minha sobrinha neta que gosta dessa arte… não se pode parecer sério… é preciso ser sério… e este princípio aplica-se sobretudo quando se relata factos históricos recentes… rebaixando o que não pode ser rebaixado porque está escrito… para se pavonear com um presente que tem, como em tudo, duas faces… Uma a merecer ser lembrada…. e aquela que já está a ficar no esquecimento… e daí o desespero… e não digo mais  apesar de haver muito que se diga…  

 

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima