28 de fevereiro de 2020

A beleza de caminharmos juntos (II)

Chegamos à Quaresma, aproxima-se a Páscoa.” A Páscoa significa passagem ”tempo novo, as romarias estão de partida, os Cristãos “romeiros” são os passageiros desta viagem.
Levanta-te e anda connosco: esta é a mensagem do peregrino, para a Quaresma. Irmãos, estão a poucos dias, “horas”, de renovar a nossa fé nas estradas Micaelenses.
Não podemos amar alguém sem o conhecer, se não participamos, não o conhecemos e não o saboreamos, então… como podemos amar Jesus?
Nesta passagem, “tempo novo”, o romeiro espalha boas novas, esta é a verdadeira mensagem Cristã.
O compromisso do romeiro, é chegar às periferias, confortar os mais desprotegidos e carecidos de uma palavra amiga, conduzindo mais um para a barca do Senhor.
Às quatro da manhã, toda a freguesia dorme, lá vão os romeiros, com seus cânticos baixinhos, Avé-maria em oração.
Os três primeiros dias, não é difícil, a partir do terceiro, a cevadeira, com menos é mais pesada. Poucas horas de sono, as “nossas” bolhas, momentos de sol, chuva, madrugadas geladas… mas vale a pena.
O melhor pequeno-almoço “incerto”, na minha vida de romeiro, foram os Terços rezados e cantados, entre as quatro e cinco da manhã, do alto dos Mosteiros até ao João Bom. Que saudades.
Irmãos aproveitam estes Terços, nestas madrugadas, mas por favor, não recitam o Terço, sem saborear seus dizeres.
Noto uma grande pressa em rezar o Terço, “ou será, mais um?” O Terço não é figura decorativa, devemos meditar em cada palavra.
(Ave-maria, Cheia de Graça), (Santa Maria Mãe de Deus) (Pai-nosso que estais no Céu), tudo isto é para meditar.
Estou certo, que qualquer um de nós é diferente no seu dia-a-dia, mas nas romarias, somos todos iguais.
Irmãos vamos caminhar juntos, com o mesmo olhar, a mesma Fé, focados no Altar do Senhor.
Semana rica: no recolher, visitar, partilhar, meditar, com os terços, “nossa enxada”, bebendo Avé-marias, namorando e enriquecendo a nossa cultura, tudo o que a natureza nos presenteia.
Tantas vezes ouvimos uma voz “sinal” meu filho, nunca mais apareceste, o que se passa? Não procuras o Pai… porquê?
É notório que nas romarias, aparecem um ou outro irmão, que baixa a sobrolho, para não saudar o outro… assim não irmão… medita um pouco, e verás que o melhor é “ficar em casa”.
É obrigação receber todos por igual: sem olhar crítico, sem sobrancelha de desprezo, caminhar seguro, driblando o medo, orgulho, resfriando o ódio, que aflora em muitos de nós.
Deus dá mais do que nos pede. Toda a habitação que nos acolhe, deve ser a Gruta de Belém.
Teimosamente caminhamos no escuro, mas “nas romarias”, com Jesus, passamos do pecado, para a Graça.
Nas pernoitas: é bom levar a mente limpa, “sem teias”, lançar as redes e pescar mais um, como fez o nosso Pai, só assim irmão, terás uma boa” pescaria” romaria. “Esqueçam o cansaço”.
Encontramos famílias, sequiosas, carenciadas de uma palavra amiga de conforto, vivendo no mar da angústia e na escuridão da vida.
Em muitas situações: uma opinião, conforto, meditação, consegues libertar, alguns irmãos “com vida”, da tempestade que os atormentam.
Devemos acender as Velas que temos “apagadas” dentro de nós, recordando o nosso Baptismo e compromisso com o Senhor.
Deus não faz diferenciação de pessoas: Alguns romeiros “responsáveis” devem-se despojar de tudo, bens, compadrio, amizade, vestindo o fato da humildade e simplicidade.
Estes romeiros “chefes”, pensam que a romaria é o xaile, lenço, terço, cevadeira e bordão, não. O romeiro não é deitar uma lágrima “de crocodilo no alto da serra”, não irmãos.
Passamos por alguma turbulência “no seio” dos comandos, das romarias, estou certo que a culpa não é “SÓ” das Paróquias.
Não somos chamados para” o eu ”, exibir ostentação, se o meu bisavô tinha brasão ou não, o que interessa “esta treta” para uma romaria?
A romaria é um retiro Sagrado, para homens que sabem ou procuram o caminho a verdade da vida.
O caminho largo, é o melhor para os orgulhosos, “sargentos” pretensiosos, com vontade de serem donos “do altar” das estradas suicidas da vida.
Amizade “de sangue”, empregos, colégios, faculdades,” este compadrio” não pode ser puxada para uma caminhada de fé.
Nunca esquecer o trabalho que foi cimentado, pelos antigos mestres, dava os melhores frutos. Para recuperar estes frutos?… Alguns “mestres” do passado.
Fere a alma ao passar em certas Igrejas do nosso Concelho, em época da Quaresma, Páscoa e festas da Paróquia, são raros os irmãos, romeiros, “ e chefes”, poucos.
Na Quaresma passa muitos evangelizadores, terminada a romaria, o terço só não cria bolor, porque está abençoado. Vivemos um novo tempo missionário: És católico? Bom esposo, bom pai, bom filho? Muitos não sabem o que significa ser Padrinho.
Ser romeiro é imitar Jesus, o nosso Pai foi romeiro toda a vida, vêm e segue-me, sou o caminho a verdade e a vida.
O verdadeiro romeiro “Cristão” tem o dever de saber o sentido da vida, do caminhar, perdoar, dar testemunho da palavra do Pai.
O perdão e reconciliação, poucas vezes são utilizados pelo povo Cristão. Qual de nós, está temperado para pedir perdão? Perdoar é tarefa difícil? …Não.
Só um coração bom, pode perdoar: irmãos evangelizem e perdoai, assim chegas junto ao PAI.
No dia do baptismo Jesus disse a João: “deixa por agora”, depois se vai repor toda a verdade e justiça.

Acompanhai-nos:
Bendito Emanuel, Libertai-nos, Enquanto Zelamos Amargurados.
Desejos Especiais?
Crescemos A Meditar, Inscrevendo, Nós Honramos As Romarias.
Jesus: Uni-vos, Não Tenhas Ódio Submerso

Aquele abraço, Irmão Jordão

Jordão Botelho
 

Print
Autor: CA

Categorias: Opinião

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima