19 de janeiro de 2020

Recados com Amor

Meus Queridos! O ano de 2020 promete uma mudança na política da Região, a avaliar pelas movimentações partidárias que começam a ver a luz do dia. O PS/A lançou um movimento em forma de plataforma para ir ao encontro dos eleitores, depois do que se pode considerar uma saída em falso para reactivar o Forum Açoreano, que na década de noventa juntou um conjunto de personalidades do PS/A e de independentes, que gerou o fermento suficiente para que o partido conseguisse empatar em número de deputados com o PSD/A e aliado depois informalmente ao CDS de José Monjardino, consegui chegar ao Governo com Carlos César… Heraclito dizia que “a mesma água nunca passa duas vezes por baixo da mesma ponte” e daí talvez a aposta na Vice-reitora da Uac Sandra Dias Faria, na companhia de Nuno Tomé, para dirigirem a iniciativa “ Todos Contam/Açores Primeiro”. 
Quanto ao PSD/A, a avaliar pelo discurso do novo Presidente do Partido José Manuel Bolieiro na abertura do XXIV Congresso dos laranjinhas, parece que aquele partido aposta tudo para sair do limbo em que mergulhou nos últimos 25 anos. Bolieiro apostou na unidade e quer ganhar o eleitorado que desertou para outros partidos e reganhar a confiança dos militantes abstencionistas. Para isso anunciou a saída de Presidente do Município de Ponta Delgada para se dedicar a tempo inteiro ao partido e ir à procura dos eleitores. Isto é… o PS/A e o PSD/A… pretendem, embora de forma diferente, ir ao encontro da sociedade… e isso é um bom começo para a regeneração da política e da Autonomia… Como sabem, não sou mulher virada para essas coisas da política, mas sou uma espectadora atenta a tudo quanto se passa na nossa Região… Por isso, fico esperançada que a aparição de projectos políticos alternativos motivem os cidadãos a participar na política e a influir nas opções que os partidos vierem a apresentar ao eleitorado. Sem opinar, parece que o PSD/A renasce agora… ao fim de 25 anos, com uma postura construtiva e ideias para futuro. Oxalá isso seja o estimulante que fazia falta…


Meus queridos! Neste dia em que a Matriz de Ponta Delgada celebra mais uma vez a festa de São Sebastião, quero mandar um ternurento beijinho ao meu querido padre Nemésio Medeiros, que desde há anos tudo tem feito para fazer renascer a tradição de celebrar o padroeiro, aliando a tradição à formação e criando parcerias com várias entidades e organismos católicos para que a festa se realize com e esplendor que merece. Só espero que São Pedro, que até é vizinho de São Sebastião, seja generoso e dê uma brecha no tempo para se realizar a procissão, logo a seguir à missa… e que é um voto multissecular da edilidade cá do burgo… E como a procissão que conta com o apoio do Exército e da Câmara do meu querido Presidente Bolieiro, encontre os Paços do Concelho vestidos das suas melhores galas e que se ouçam os sinos da torre sineira, à passagem do cortejo processional presidido pelo meu querido Bispo Lavrador. Ponta Delgada merece e é um sinal de vida no centro da cidade, que bem precisa!


Ricos! Eu sei que o meu querido Director do jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio não gosta muito destas coisas, mas não resisto a mandar-lhe um ternurento beijinho pela coragem e oportunidade que teve no seu editorial da semana passada sobre a Universidade dos Açores, nos seus 44 anos, quando escreveu que “é lamentável o bloqueio político que existe quanto às necessidades financeiras da Universidade, e a passividade do Governo dos Açores perante a República, consequência da Autonomia cooperativa que afinal parece ser vantajosa só para emprestar dimensão e poder a Portugal”. E não é que é mesmo? “Boca santa”, como se costuma dizer. É preciso que entre em muitas cabecinhas que por mais que tentem disfarçar, mesma cor na rectângulo e nas ilhas dá nisto: passividade! Com editoriais desses nada admira que tenha Américo Viveiros sido escolhido pelos irreverentes autores do “Pois Alevá” do velhinho e sempre renovado Diário dos Açores, como o “editorialista do ano”. Mais que merecido!


Meus queridos! Na passada semana fui fazer uma visita à minha prima Maria da Vila e resolvi, no meu velho popó ir pela antiga estrada. Quando passei em Água d’Alto, vi dois ou três carros parados ao lado da Ponte dos Arcos, da Grota do Barro, e um grupo de turistas a apreciar aquela que é a mais bela ponte dos Açores, uma verdadeira obra de arte com toda a sua majestade e elegância. Não resisti e parei também. Ali continua ela firme e bela. Mas coitadinha está tão sujinha e tão carente de uma conservação e pintura que ninguém imagina… Não sei quem é o parente mais próximo da dita cuja, mas deixo o meu apelo a quem de direito para que lhe dêem a aparência que ela já teve… e por junto até podem nas proximidades criar um miradouro digno, de onde possa ser apreciada. É que hoje já não se faz daquilo. Que o digam os povoacenses!


Ricos! Li esta semana no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio que o Governo do meu querido Presidente Vasco, pela boca do rico Secretário Ponte, “está empenhado em definir um plano de acção específico para a agricultura e florestas, com medidas “concretas e exequíveis”, para contribuir para a redução das emissões de gases com efeito de estufa e para atingir a neutralidade carbónica em 2050”. Como hoje só se fala nos gases de metano emitidos pelas vacas, pensei logo que já deve haver alguém por aí a pensar na oportunidade de um novo negócio: uma fábrica de fraldas para os ditos cujos ruminantes que agora estão na mira dos ambientalistas da moda! Só pode! Mas diz a minha prima Silvana que, com tamanha febre que por aí vai no combate à emissão de gases,… qualquer dia vai ser criado um imposto sobre emissão de gases humanos… Será certamente uma taxa fixada por escalões… de acordo com o peso de cada pessoa…. e o volume calculado por um logaritmo que fará parte de um chips colocado no traseiro de cada… Onde chegamos!!!

Meus queridos! Não sei quantas vezes já disse aqui nos meus recadinhos que aposto com quem quiser que nem daqui a dez anos teremos cadeia nova em São Miguel e que, contrariando tudo o que dizem, os presos continuam a ser transferidos para a Terceira e outras cadeias no rectângulo…. Já nos atiraram tanta bagacina para os olhos que agora já vem o Bloco de Esquerda dizer que é melhor esquecer o monte da bagacina e escolher outro lugar para a dita cuja. Eu também acho que sim, porque aquele foi o lugar mais mal escolhido da história dos Açores e nunca se vai saber o que levou a que fosse ali, mas também sei que o que o rectângulo e o Governo do Primeiro-Costa quer é mesmo isto, porque enquanto o pau vai e vem, folga a verdadeira causa que é a falta do pilim e a cadeia vai ficando para calendas gregas, porque quando mete tribunais, a gente já sabe que pode ir somando anos. E não é só na cadeia… Olhem para as Galerias da Calheta. Mistérios!


Meus queridos! A minha prima Maria da Praia telefonou-me esta semana para dizer que já tinha sido revelado o tema do cortejo de abertura das Festas Sanjoaninas da cidade património mundial na ilha de Jesus. Este ano o dito cujo vai ser dedicado às alterações climáticas. Eu disse à minha prima que era um tema de grande actualidade e que hoje em dia quem quiser ter popularidade tem de ter um cheirinho de ambientalista, mesmo que em sua casa não separe o lixo e seja capaz de o colocar na rua a qualquer hora, ou a deixar a beata enterrada na areia quando vai à praia. Ela disse que sim, que concordava, mas que estava com medo porque, de repente, ainda podem destronar a rainha escolhida e no dia do cortejo, no seu lugar, no alto trono andante, aparecer a Greta Thunberg, de dedo em riste e cara ruim a apontar quem tranquilamente assiste ao cortejo com um saco plástico de pipocas ou de “favas, pevides e amendoins” pela Rua da Sé abaixo…


Ricos! Este país está um caos de violência que já ninguém consegue disfarçar. Médicos agredidos nos hospitais, enfermeiros de olhos negros, professores e contínuos espancados, polícias esmurrados e juízes esbofeteados, embora estes por serem autoridades absolutas mandam logo mandar o agressor para o xelindró… nada como sofrer na pele para dar o valor… É que há para aí sentenças que até parece que os seus autores vivem noutro mundo, enquanto a desgraça não lhes bate à porta… haja em vista o que tem acontecido com o julgamento de policiais que arriscam a vida no meio de fogo cruzado entre os contendores e depois ainda são julgados e condenados… para consolo dos delinquentes… Mas, no meio de todo esse arraial… veio um seráfico Ministro anunciar que os profissionais de saúde vão ter aulas de defesa pessoal, que é como quem diz… a pouca vergonha vai continuar… 
 

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

Theme picker

Revista Pub açorianissima