30 de junho de 2019

Recados com Amor

Meus Queridos! Fiquei menente com o que ouvi e li sobre um pedido para uma reunião com o Presidente do Governo, Vasco Cordeiro, feito pelo líder do maior partido da oposição, Alexandre Gaudêncio, para falarem sobre o grande problema “chamado SATA”. O Presidente do Governo mandou o líder da oposição falar com a Secretária dos Transportes, quando o que devia ter feito era reunir com o líder da oposição acompanhado naturalmente pela Secretária dos Transportes… Não sei nem quero ser advinha… para saber o que passou pela cabeça do Presidente do Governo para assumir tal posição… que desdiz os seus múltiplos apelos e intenções de diálogo e consensos… feitos em vários discursos que eu ouvi. Bem sei que para uma conversa diferente sobre o imbróglio SATA, é preciso que haja uma proposta concreta e diferente do que está em cima da mesa e se conhece, e que é obrigação da oposição… e nesse caso não vale apenas a vaga ideia que ficou no ar de que Alexandre Gaudêncio seguia o guião da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada, assente na privatização de mais de 50% do capital da companhia… A verdade é que sem nova proposta… seria mais do mesmo, embora isso pudesse ser dito pelo Presidente Vasco Cordeiro ao líder do PSD/A Alexandre Gaudêncio, através de uma chamada telefónica! Paredes meias com o Palácio de Santana, no Jardim José do Canto, e num evento organizado pelos meus queridos amigos do peito, Carlos Pavão e Raquel Pacheco, por ocasião da primeira comunhão do filho Bernardo, festa que decorreu num ambiente cativante pela afeição do casal anfitrião, e que deixou os convidados deliciados… estive à conversa com a minha prima Josefina que sabe dessas coisas da economia e da política, tendo ela a certa altura dito que  se o Governo não tem ideias, nem sabe como resolver um problema grave que são os transportes aéreos,  cabe à oposição inovar e ter uma proposta alternativa consistente a apresentar aos Açoreanos… Se não tiver, perde credibilidade… E Josefina lembrava ainda que a vitória eleitoral do PS em 1996, deu-se por causa dos transportes aéreos… e da promessa feita pelo Primeiro ministro António Guterres… da TAP  baixar o custo das passagens aéreas  e  fazer  mais voos entre as Ilhas e Lisboa. Josefina terminou a conversa dizendo que se não se conseguir resolver o problema da SATA, os transportes que deram a vitória ao PS, poderão ser a causa de uma futura derrota… Vendo o peixe ao preço que comprei.  

 

Meus queridos! Em tempo de Santos Populares, um pouco por toda a parte multiplicam-se os festejos com os cantos e desfiles de marchas que por cá, nas “Ilhas de Bruma”, começaram em 1968 na velha capital, como diz a minha prima Maria da Vila, e agora já se espalham por vilas e cidades numa bela manifestação cultural, como aconteceu em Angra que até já desdobra o desfile por duas noites… Na Sexta-feira tive o gosto de assistir, aqui na minha cidade norte, aos festejos, (inquieta para dar um pé de dança), com dançarinos e foliões, numa tradição que se vai impondo e criando raízes. Não interessa ser Santo António, como é na novel cidade da Lagoa e que muitos teimam em dizer de Lagoa, ou de ser São João como na Vila, em Angra ou na Povoação, ou ser de São Pedro como aqui na cidade-norte. O que interessa é que as festas não se sobreponham para que cada lugar possa criar, manter e viver as suas tradições, sem deixar de ser atracção para todos… Haja festa! Já que há muita coisa que falta…


Ricos! A gente sabe que a educação ambiental é coisa para levar gerações a ser conseguida, apesar de não se saber se o mundo vai aguentar tantos anos assim ao sabor dos caprichos do bicho-Homem, com H grande para se saber que a mulher está incluída… Mas há coisas que custam a engolir... Como é possível que em pleno século XXI ainda se faça de qualquer festa ou ajuntamento popular ocasião para deixar os espaços como se fossem um verdadeiro campo de batalha cheio de destroços (leia-se lixo). É em Fátima, é no Santo Cristo, é nos arraiais de impérios e festas de Freguesia, é nas semanas académicas e foi agora pelos Santos Populares… Ninguém escapa e que o digam os serviços camarários que vão atrás zelosamente limpando… A minha prima Maria da Praia mostrou-me umas fotos das ruas de Angra que pareciam um mar de plástico e detritos… E eu pensei logo naqueles puristas do Ambiente que só falam da Batalha das Limas, circunscrita a uma Avenida… Mas a melhor que ouvi sobre lixo nas ruas foi uma cidadã da Ilha de Jesus dizer que há muito lixo nas ruas porque as Sanjoaninas estão cada vez como mais gente de “fora da terra”… Ou seja, até no lixo a culpa é sempre dos outros! Passa fora!


Meus queridos! Em tempo de festas e marchas, quero deixar um ternurento beijinho à equipa da RTP/Açores que fez a cobertura das festas de Angra e da Vila, dum modo especial para o meu querido e sempre irreverente Vasco Pernes, com a simpática Tatiana Ourique, na cidade património e a Graça Moniz, com a sua graça, na velha capital. Para quem não pode estar presente, sentir a alegria e a vida que os apresentadores sabem dar aos programas, é muito bom. Está de parabéns a RTP/Açores! Sou mulher de apontar quando está mal, mas é bom reconhecer quando assim se esmeram…


Meus queridos! Esta moda dos direitos de imagem tem levado a cada fundamentalismo que só visto… Fiquei menente quando a minha prima Jardelina me contou que até já há pessoas a proibir aos padres das freguesias e às paróquias, a publicação de fotografias das festas de comunhão e crismas onde apareçam os seus filhos… Claro que os papás podem optar por não querer que os filhos tirem as fotos de grupo que é tradição fazer no fim das missas, mas não podem obrigar a que não se publiquem fotos onde os piquenos apareçam durante a cerimónia. Ao que isto havia chegar… E eu a pensar na alegria que tanta gente sente hoje ao ver fotografias do “seu” tempo, quando uma fotografia era um luxo… E já agora, gostava de saber se os papás que assim procedem têm o posto o olho nas redes sociais, onde pais, filhos e afins vazem as selfies que tiram, uns para se exibirem e outros para se tornarem populares e para satisfazerem o ego…


Ricos! Dentro do velho ditado que aqui tenho repetido vezes sem conta…, segundo o qual…, da banca ao serviço do povo passamos para o povo ao serviço da banca, fiquei para Deus me levar quando li que a Caixa Geral de Depósitos vai deixar de pagar juros, quando estes sejam baixos de mais, ou seja, para quem tem pouco pilim e ainda se atreve a guardá-lo por lá, tira o cavalinho da chuva que ainda vai ter é de pagar para ter dinheiro no banco. Bem faz a minha prima que diz que o melhor lugar ainda é o colchão ou debaixo do barrote…apesar de ser proibido fazer pagamentos em dinheiro acima de 3mil euros…e não se sabe se outra lei não virá por aí abaixo, proibindo o depositante de levantar do banco mais do que cem euros por dia… Seja como for, e agora com a descoberta do tal milhão em barras de ouro debaixo da banheira, é uma boa achega para quem tiver pilim ou ouro a mais guardar o dito cujo debaixo da banheira, já que penicos velhos deixaram de estar na moda… O que se sabe é que a exploração da banca é coisa para durar porque os buracos são para tapar… e quem paga é sempre o mexilhão…


Meus queridos! Já quase deixei de ir à Praça para comprar um rabinho de peixe, pois ele está pela hora da morte… com preços apenas para os ricos… e que se lixem os pobres e as reformadas como eu. E por isso mesmo gostei do título que li esta semana no jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio e que dava conta da exorbitância dos preços do peixe. E estou a lembrar-me do que disse há tempos o meu querido Secretário Ponte sobre a carne que cada um comia a que podia comprar… E eu acho mesmo que é esta lógica que está a vingar por cá… Na carne no peixe e na fruta, porque, por exemplo, com ananás a nove euros o quilo como estava esta semana no mercado da Graça, a gente tem mesmo é de comer abacaxi… porque ananás a este preço só para turistas ou malucos… É que somando este preço ao subsídio pago ao produtor, fica o fruto mais caro que ouro… Era bom saber quem está a ganhar com tudo isso. Não são as cooperativas porque até uma delas já morreu…


Ricos! Com que então, ofender e injuriar polícias não é crime, diz o digníssimo Procurador do Ministério Público da Amadora, lá para os lados do rectângulo! E mandou arquivar o processo de um guarda que se sentiu ultrajado pelos nomes que lhe foram chamados por um cidadão e pelo sopapo que ainda levou… Mas quando é um polícia a chamar um nome qualquer a um cidadão, é logo condenado, como aconteceu ainda há dias aqui nesta ilha do Arcanjo. É por essas e por outras que este país está à mercê dos crime e dos criminosos porque há magistrados e juízes capazes de coisas assim… Mas se o cidadão tivesse chamado um nome ao senhor Procurador, seria logo “engavetado”… ou será que o processo era arquivado também? Gostava que me respondessem a esta tão oportuna questão… Juro que estou ficando velha para perceber certas coisas…


Ricos! A gente sabe que muitos serviços públicos estão a rebentar pelas costuras e apesar de nos cantaram todos os dias a cantiga cor-de-rosa do costume, ir para filas em muitos lados está a tornar-se um pesadelo. Que o diga quem lá para os lados do rectângulo pena o que Deus sabe para tirar um simples cartão de cidadão… E, se houvesse um prémio para a melhor desculpa da semana, o desta semana ia direitinho para o Governo do nosso Primeiro Costa que disse que a culpa dos serviços entupidos é dos cidadãos que vão cedo demais para as portas dos serviços para tomar vez… É obra! E depois ainda se admiram das greves dos funcionários… que não podem dar conta de tal recado…e nem sequer conseguem ter carreiras e salários a condizer com o serviço que prestam… e sei do que falo porque tenho ido, certamente como muitos… às lojas do cidadão por aí espalhadas e tenho de dizer que o serviço é de primeira… e por isso o Governo tem de olhar para quem trabalha e presta um serviço com qualidade…

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

x
Revista Pub açorianissima