16 de junho de 2019

Recados com Amor

Meus Queridos! Na Segunda-feira do Espírito Santo e como determina a lei, celebrou-se o Dia dos Açores, este ano na Calheta de São Jorge e com o mar aos pés… Como sempre, houve muitos condecorados, muitos deles já falecidos, coisa que não aprecio muito porque entendo que o reconhecimento a ser feito deve ser em vida, e não depois de ter partido para o além… Mas, como não podia deixar de ser, estive muito atenta aos discursos dos meus queridos Presidente Vasco Cordeiro e da Presidente da Assembleia, Ana Luís. Não sendo mulher de me meter em políticas, verifiquei que o Presidente do Governo dividiu o discurso em três partes. Uma sobre a Autonomia, manifestando preocupação com o futuro e por isso reafirmando os feitos alcançados nos 43 anos da sua existência, preocupação tanto com as carpideiras de cá como com os centralistas de fora. Depois, numa segunda parte, apontou baterias para o centralismo e para a indiferença de Portugal, lembrando que o país é o que é porque os Açores são o que são… Isto porque as promessas outrora anunciadas pelo Primeiro-ministro estão em banho… Por último, muito se falou do problema da abstenção e do divórcio dos eleitores para com a política… Nesse ponto foram apontadas várias medidas, que espero nos próximos tempos possam ser discutidas por quem opina, comenta e analisa, fazendo opinião publicada, sem esquecer as propostas que os partidos políticos têm para apresentar sobre a matéria… Vamos esperar para ver se vai haver mudança no relacionamento entre eleitores e eleitos e se os partidos estão apostados em começar a mudança por casa… para que nada fique como está ….porque se assim continuar vai ficar muito mal!...
 

Ricos! No Dia de Portugal, a Presidente do Conselho de Administração do Grupo Bensaude,  Patrícia Bensaude, depois de ter sido condecorada com o Grau de Comendadora - Ordem do Mérito Comercial, declarou que aquela condecoração era dedicada aos três mil trabalhadores que o Grupo emprega, atitude que revela a cultura da empresa que é factor determinante para o êxito dos negócios. É um bom exemplo para os empresários, pois nem sempre as relações nas empresas são de modo a pensar que o trabalhador é uma peça fundamental para o sucesso da empresa e deve ser tido e sentir-se como parte dela.


Meus queridos! Nas ilhas do Faial e Pico realizou-se um ajuntamento internacional de viticultores, e como acontece em todo o lado, não sei no caso se devido a condições atmosféricas ou devido ao congestionamento do tráfego aéreo… que contribui de sobremaneira para a degradação do ambiente, coisa que ninguém tem coragem de denunciar porque todos se servem do pássaro voador para correrem de um lado para o outro,… houve quem não chegasse a tempo da sessão inaugural, devido a um atraso do voo que saiu da cidade das luzes para Lisboa, o que fez com aqueles participantes  perdessem o voo da SATA para o Faial… Na altura da abertura do importante evento, o meu querido Secretário João Ponte disse, em tom de brincadeira que mesmo com bom tempo, o Governo não “tinha mão nos transportes”. E logo isso deu azo a que aparecessem umas aves de rapina a deturpar o que o homem quis dizer e ainda por cima chamando logo São Miguel à liça, dizendo que se fosse na Ilha do Arcanjo não havia atrasos… Como não havia atrasos, se o avião partiu atrasado foi de Paris? Como diz a minha prima Maria dos Flamengos, é esta mentalidade de coitadinhos que faz com que não sejam capazes de agir doutra maneira…. Enquanto se sangram em lamúrias e bairrismos balofos não conseguem abrir os olhos para aquilo que verdadeiramente interessa… Ricos! Deixem-se de culpar os outros por coisas que não fazem nem fomentam e ponham-se mas é… a fazer a parte que vos compete… e não faltará quem vos apoie….


Meus queridos! E já que estou a falar de bairrismos e do congresso dos viticultores, juro que ainda não percebi porque razão se gerou tanta indignação pelo facto de tal sessão ter sido repartida entre o Faial e o Pico. Claro que fazia todo o sentido ser no Pico, mas se a ilha não tinha condições para acolher tantos participantes… e se era para improvisar…, então porque não aproveitar as condições do Faial, com o Pico a uma dezena de léguas? Quem se lembra das semanas das Pescas, sempre no Faial, com São Miguel a ter mais de metade da pesca de toda a Região? Não é por aí que se deve ir… Imaginem que as gentes do Faial se lembravam de fazer boicote aos vinhos e às coisas do Pico? E ainda há que pensar que, se fosse no Pico, era capaz de termos comunicados e protestos porque foi num concelho e devia ser no outro… É difícil ser regedor numa terra destas!


Meus queridos! Lá vai o PAN marcando pontos… e basta um em São Bento! Só quero ver quando forem muitos! Agora foi a “lei das beatas”. Multa pesada para quem atirar uma para o chão, mais ou menos ao estilo da licença do isqueiro no tempo da velha senhora. Eu não sei é como vão arranjar gente para fiscalizar tudo isto. É que já há anos legislaram sobre o consumo de álcool por menores e é vê-los por aí em plena rua e nos festivais, de cerveja ou outras coisas piores na mão… E nunca nenhum é apanhado. Agora querem multar os atiradores de beatas… E para fazer a prova ainda vão recorrer a testes de ADN… sem se fazer contas aos custos que isso representa para o Estado… Isto não vai assim, ricos! A educação e o civismo não se decreta, muito menos com leis que se sabe que nunca vão ter aplicação por falta de fiscalização. O importante é fazer campanhas de mentalização e isto leva anos e anos. Como diz a minha sobrinha-neta, em vez de andarem sempre a falar num planeta melhor para os nossos filhos, deviam era começar a pensar em filhos melhores para o nosso planeta!


Ricos! Fiquei menente com as rusgas da Judiciária a tantas autarquias e a constituição de tantos arguidos, sem olhar a cores, por irregularidades e preferências na adjudicação e requisição de serviços. E fiquei a pensar em como deve ser difícil alguém querer ser autarca hoje… É que essa coisa de transparência levada às últimas consequências era capaz de fechar muita Junta e muita Câmara. E talvez por isso mesmo já haja presidentes de Junta e Câmara que publicitam tudo o que fazem e as más-línguas ainda dizem que é para caçar votos… Mas também não precisa exagerar, com aquele Presidente que ainda esta semana mandou fazer uma notícia a dizer que a Junta tinha dado cem euros, isso mesmo, cem euros, para uma festa do Espírito Santo, dos piquenos de uma escola… Nem tanto ao mar, nem tanto à terra! Mas as coisas como estão acho que o dito fez bem em publicitar o donativo por causa das coisas…..


Meus queridos! A minha prima Maria da Vila não cabe em si de contente com as movimentações que vão na velha capital com o reaparecimento do velho e carismático Vasco da Gama, agora no futebol sénior. Há uma onda de entusiasmo que premeia o esforça de tantos anos de quantos fizeram com que o velho clube nunca fechasse, desenvolvendo sempre um importante papel nos escalões de formação, com um esforço heróico de andar com a casa às costas pela falta do campo da Mãe de Deus. Merecem um ternurento beijinho pelo coroar do seu esforço e a minha prima agora só pensa é na ressurreição dos “Pretos” que sempre foi o seu clube de coração. Com as duas equipas, a vila poderia voltar aos tempos de glória do século passado. E da mesma maneira, a minha prima Maria das Capelas também está ansiosa pelo regresso do seu Capelense. Há coisas que marcam a identidade dos lugares e apesar de eu não ser mulher da bola… digo que o futebol é um deles… A juventude precisa e merece!


Meus queridos! Todos os anos, no princípio do Verão, vem à tona de água a questão dos transportes marítimos e parece que o mafarrico apostou em tirar a paciência ao mais santo dos açorianos. Um barco que estava para vir e que andou a ser embonecado e pintado para disfarçar as rugas da idade, já não vem e lá vem o outro, o tal das nuvens de fumo preto que por cá andou no ano passado… Foi-se o mestre Simão e agora parou o Gilberto Mariano… E lá estão os velhinhos Cruzeiros a mostrar que foram uma grande aposta no seu tempo… E ainda por cima há dias, no barco que anda por aí, nem houve quem recebesse as bagagens e as pusesse em lugar próprio. Foi um pandemónio dentro e fora do navio… É caso para dizer: amadorismo, mas nem tanto! São sortes!


Ricos! Recebi uma cartinha de uma amiga de peito pedindo que a publicasse, porque apesar d’ela já ter “corrido Ceca e Meca” tudo continua na mesma e todos fazem ouvidos de mercador… Aqui vai a carta tal como a recebi:
Cara amiga
Como continuo sem ver solução para o arranjo e limpeza de uma das principais vias de acesso à cidade, a Rua Engº Abel Coutinho, que a empresa publica Portos dos Açores pomposamente reclama como sua, penso que talvez que com um dos teus recados a coisa se consiga… Peço à minha amiga para por lá passar para ver o lamentável estado daquela rua, onde não há nem limpeza nem tinta…
Vou pedir ao Director do Jornal que tão generosamente me acolhe no seu seio que mande fazer uma reportagem jornalística sobre o estado da dita rua e ouvir o que têm a dizer os proprietários da dita cuja…

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

x
Revista Pub açorianissima