9 de junho de 2019

Recados com Amor

Meus queridos! Amanhã celebra-se o Dia dos Açores na Segunda-feira do Espírito Santo, que se comemora da ponta mais ocidental que é o Corvo, até à mais oriental, que é Santa Maria… Nesse dia os Açoreanos estão irmanados na partilha e no louvor ao Divino que serve de refúgio e oração nos momentos mais difíceis da vida… Este ano, o Dia dos Açores coincide com o Dia de Portugal e celebra-se na Calheta de São Jorge, onde decorrerão as cerimónias que foram instituídas há mais de 20 anos, com um modelo que está a ar sinais de desgaste e cansaço, pedindo por isso que seja renovado na forma e no conteúdo. Antes a festa deixava-se ao povo e depois copiou-se o modelo de comemoração do Dia de Portugal, quando se institui as insígnias regionais… que a meu ver precisam de ser repensadas porque a obrigação de preencher vários condecorados em todas as categorias… pode banalizar a sua atribuição… Não vou aqui tecer qualquer comentário sobre o Dia dos Açores, deixando isso para o meu querido Director no seu costumado Editorial de Domingo, e ao meu rico Director Adjunto Santos Narciso na sua nota de abertura do Atlântico Expresso de amanhã. Mas, em tempo do Espírito Santo, aproveito para mandar um ternurento beijinho a todos quantos ainda vão fazendo estas festas, cada vez mais apertadas com taxas e taxinhas, com direitos de autor e com um monte de licenças que até para fazer uma coroação é preciso criar uma associação ou uma irmandade, que só para fazer e registar custa uma pipa de massa. Num país que em vez de simplificar só complica é mesmo o que temos… Vou procurar um lugarinho onde se comam umas boas sopinhas do Divino e uma “carninha guisada” bem à moda dos nossos impérios, porque esta vida são dois dias e nem sempre é fácil. E deixem as tradições viverem, porque agora a moda, principalmente com o advento das redes sociais é criticar tudo e todas as coisas que se fazem. Uma delas é as roqueiras e aí eu acho que deve haver equilíbrio e horas, mas nem tanto ao mar, nem tanto à terra… E viva o Senhor Espírito Santo.


Meus Queridos! Fui a semana passada com uma amiga de peito assistir à festa de São Pedro Gonçalves, padroeiro dos pescadores, que se realizou na Vila de Rabo de Peixe, onde a pesca é rainha e senhora desde o seu povoamento. Depois, fui convidada com a minha amiga para visitar um dos muitos Impérios do Espírito Santo que nesta altura estão abertos para quem os quiser visitar e rezar… e lá encontrei a minha prima Maria da Assunção, que me contou que um parente seu tinha estado no dia antes numa reunião muito importante do PPD/PSD… onde foi discutido o resultado das eleições para o Parlamento Europeu e se definiu o retrato para a escolha dos candidatos à Assembleia da República nas eleições de Outubro próximo… Disse-me Maria da Assunção que os candidatos são muitos para os lugares disponíveis e que a luta vai ser grande, porque além dos candidatos que nunca foram… querem ser, Berta Cabral e António Ventura já se posicionaram na linha de partida, com a agravante que António Ventura pretende ser o cabeça de lista para garantir o lugar e Berta Cabral apresenta-se como uma candidata da Região ao contrário de Ventura, que se têm centrado nas políticas apenas respeitantes à Terceira… Diz Maria da Assunção que depois da turbulência para as eleições Europeias que apanhou de frente Alexandre Gaudêncio, a escolha dos candidatos à Assembleia da República poderá ser uma grande dor de cabeça para o partido laranja que está com uma cor muito pálida…


Ricos! Não faltam para aí iniciativas e seminários, apelos e programas de divulgação para a compra de produtos açorianos. Gastam-se milhões e acho muito bem, porque o que é nosso é nosso e o pilim fica cá e é muito preciso para rodar e multiplicar-se. Ao mesmo tempo não faltam campanhas para se proteger o ambiente e uma delas é a luta aos plásticos… Como se sabe, temos águas, a começar pela das torneiras, de qualidade invejável, mas parece que há muita dificuldade em entender isto. É que a gente vê por aí, em reuniões e mesas de seminários e congressos, assembleias de freguesia e não sei que mais, quase sempre garrafas de plástico com águas importadas, algumas de fraca ou nenhuma qualidade, ao lado dos inseparáveis copinhos de plástico. E que tal uma norma para que sejam arranjados canjirões de vidro cheios de água da torneira e copos de vidro ou ainda as águas dos Açores engarrafadas em vidro? Dá mais trabalho e até pode ser mais caro, mas seria um sinal que se luta de forma séria contra a cultura do descartável…em vez de ser apenas para inglês ver… Ou não é?


Meus Queridos! Há dias fui surpreendida com a notícia que dava conta que o antigo Ministro dos Negócios Estrangeiros da Inglaterra Boris Johnson, e parece que agora candidato a Primeiro-ministro, vai depor em Tribunal por ter dito, há três anos, durante a campanha do Brexit, que a UE custava aos britânicos 350 milhões de libras por semana. O político inglês vai a Tribunal acusado de “ mentir e enganar a opinião pública porque tal não é verdade”… A minha comadre Maria do Amparo quando soube do caso começou por dizer que se for aplicado o mesmo critério em Portugal vai ser preciso acrescentar mais tribunais e fazer mais cadeias para receber os políticos que ao longo da vida têm mentido e enganado os cidadãos… mentindo com quantos dentes têm na boca… Maria do Amparo diz que apesar de não gostar de misturas entre o poder político e o poder judicial, e da sobreposição de competências de um e de outro, entende porém que a mentira dos políticos merece ser censurada e sancionada politicamente. 


Ricos: Como se sabe a época balnear já abriu e no Concelho de Ponta Delgada, não falta bandeiras azuis e de outras cores para todos os gostos. De vez em quando recebo umas cartinhas da minha prima Maria das Capelas a criticar, a falta de zelo que se sente na piscina natural dos Poços São Vicente/Capelas, que é frequentada pelos residentes das localidades que abrange e por muitos forasteiros que alia aportam para usufruírem das límpidas e sempre frescas águas daquela excelente bacia nortenha. 
Agora, Maria das Capelas, como mulher que vê para os dois lados, veio a terreiro aplaudir o excelente serviço que está a ser feito pelo funcionário camarário, deixando tudo e todos encantados… tal é a limpeza e segurança que apresenta aquela magnífica zona balnear, frequentada como é sabido por centenas e centenas de banhistas/turistas todo o ano.
Pena foi, acrescenta a prima das Capelas, que o mastro que ostenta a Bandeira Azul, “encolheu” nos últimos anos, fazendo com que muitos dos banhistas mais jovens se deleitem… enrolando-se na dita bandeira. Espero que alguém lhes chame a atenção e lhes ensine umas normas básicas de civismo…


Ricos! Uma das minhas vizinhas na Rua Gonçalo Bezerra foi esta semana ao Centro de Saúde aqui na minha cidade-norte e ficou escandalizada com o tamanho das ervas do espaço verde que ali existe. Já dava para alimentar algumas vaquinhas durante alguns dias. E, segundo ela me diz, ate há quem fotografe e coloque nas redes sociais, dizendo que a culpa é do meu querido Presidente Gaudêncio que não manda cortar a dita cuja erva. Por isso mesmo aqui fica o meu pedido aos responsáveis por aquele centro de Saúde para que mandem limpar aquilo tudo, para não dizerem que deixam o jardim abandonado de propósito para dar ideia que são outros que não limpam. É que há línguas para tudo!


Meus queridos! Toda a gente está lembrada da festança que durou semanas a fio lá para os lados do Governo da Geringonça… e ampliada pela Comunicação Social sobre a generosa descida do preço dos passes sociais nos transportes públicos… em várias partes  Portugal (creio que ficaram de fora as periferias)… Claro que quando é para poupar pilim o êxito é garantido e vai daí, só no Metro de Lisboa, e nestes últimos meses a procura fez com que houvesse qualquer coisa como mais sete milhões de utilizadores. Mas como sempre, não pensaram nisso e o metro rebenta pelas costuras… Mas com o desenrascanço à portuguesa arranja-se sempre uma solução para tudo. ... E vai daí, para ter mais lugares resolveram retirar os bancos das carruagens que, naquelas mentes esclarecidas… não fazem falta nenhuma, até porque com a educação que por aí vai, muitos jovens que apanhavam as cadeiras… ficavam agarrados como lapas no lugar com os olhos colados no telelé e não davam lugar aos mais idosos que dele necessitavam… E por isso agora, com menos lugares sentados, quem deles já viajava de pé e quem os usava como secretárias de escrever agora passam a viajar de pé… E se a falta de lugares continuarem ainda resta a alternativa de irem dependurados nas janelas… como se vê no Bangladesh, na Índia ou noutros países chamados emergentes… o que não seria portanto novidade nenhuma!


Ricos! Mas, apesar do que se passa nos transportes urbanos em Portugal, aqui nos Açores a coisa não está melhor, com a agravante que aqui as pessoas começam a não poder andar nas ruas porque os automóveis são tantos que pouco lugar resta para se andar com segurança. E o pior é que não vejo os responsáveis preocupados com tão caótica situação…. Estão todos calados como mulas, para não afugentar o turismo… Pois é! Quer-se meter cá mais gente, coisa que não acho mal, mas sem criar condições para que não se fique como sardinha em lata… Isso está precisando duma boa vassourada ou se está! 


Meus queridos! Vi esta semana no velhinho e sempre renovado Diário dos Açores a notícia de que uma universidade lá para os lados do norte do país mandou fazer um estudo sobre os incêndios que têm devorado milhares e milhares de hectares, para além da desgraça e morte que têm trazido. E os autores do estudo concluíram que 95% dos incêndios ocorrem quando há seca e ondas de calor… e mais disseram que embora a seca e o calor não sejam causa dos incêndios, com elas (seca e calor) os incêndios lavram mais depressa e tornam-se maiores… Pois! La Palice não diria melhor! Hoje os estudos são às catervas e tudo se estuda para haver matéria publicável e para muitos ganharem uns tostões… Qualquer dia os estudos tornar-se-ão um agente poluidor do ambiente (no caso um poluidor mental) ….
 

Print
Autor: CA

Categorias: Maria Corisca

Tags:

x
Revista Pub açorianissima