Tem aumentado número de paquetes que escalam Ponta Delgada

Grande poluição dos cruzeiros causa apreensão aos ambientalistas

A Carnival Corporation revelou num documento que em 2017 a maior operadora de cruzeiros de luxo do mundo, emitiu cerca de 10 vezes mais óxido de enxofre nas costas europeias do que os 260 milhões de carros europeus.
Segundo a Carnival Corporation, Espanha, Itália e Grécia, seguidos de perto pela França e Noruega e depois por Portugal, são os países europeus mais expostos à poluição por dióxido de enxofre dos navios de cruzeiro, enquanto Barcelona, Palma de Maiorca e Veneza são as cidades mais afectadas, seguidas por Roma e Southampton e Lisboa, que foi a cidade com mais tráfego de navios de cruzeiro em 2017, e surge em sexto lugar.
Embora sejam os principais destinos turísticos, o estudo indica que estas cidades têm padrões “menos rigorosos sobre o enxofre marítimo, permitindo que os navios de cruzeiro queimem o combustível mais sulfuroso e mais poluente ao longo das suas costas”.
A associação ambientalista Zero, sublinha, a propósito, num comunicado divulgado ontem que as emissões de óxido de enxofre lançadas pelas chaminés dos navios formam aerossóis de sulfato, “que aumentam os riscos de doenças cardiorrespiratórias” e contribuem “para a acidificação em ambientes terrestres e aquáticos”.
Em relação a 2017, a Zero concluiu que “as emissões dos navios de cruzeiro na costa portuguesa foram 86 vezes superiores às emissões da frota automóvel que circula em Portugal (5100 toneladas em relação a 59 toneladas, respectivamente), tendo representado mais de 10% do total das emissões nacionais de óxidos de enxofre (5.100 toneladas em relação a 47.500 toneladas”.
Em relação ao óxido de azoto os navios de cruzeiro em Lisboa emitiram quase o equivalente a “um quinto dos 374 mil veículos de passageiros que circulam na cidade”, revela a Zero que defende que a Europa “deve implementar rapidamente um regulamento para aplicar em todos os portos europeus e com planos para se atingirem limites de emissão zero nos navios”.
Este anúncio da Carnival Corporation e a reacção da associação ambientalista causa alguma apreensão a cidades como Funchal e Ponta Delgada que têm vindo a aumentar o número de escalas de navios de cruzeiro. 
Afinal, bem se pode concluir que os Açores ganham com o volume de turistas de cruzeiros que visitam as ilhas mas perdem em termos ambientais com a passagem e operação dos navios nos portos.
 

Print
Autor: CA

Categorias: Regional

Tags:

x
Revista Pub açorianissima